Notícias

Divulgação

Comércio

01 de março de 2019 às 10h30

Dados da ABF apontam crescimento das franquias

A consolidação dos números apurados pela Associação Brasileira de Franchising mostra que o faturamento do setor em 2018 cresceu dentro da estimativa feita pela entidade, fechando o ano com alta nominal de 7,1% em relação ao ano anterior. A receita total do mercado de franquias saltou de R$ 163,319 bilhões para R$ 174,843 bilhões no período.

A inflação e os juros básicos da economia (taxa Selic) baixos, a melhora dos índices de confiança do consumidor e do empresariado, a retomada da expansão e os investimentos em inovação impulsionaram esse crescimento. 

A recuperação, ainda que lenta, da economia, especialmente no último trimestre, com os bons resultados para o varejo e o franchising na Black Friday e Natal, também alavancaram o desempenho do setor. Dados da ABF apontam que houve uma alta de 8,2% na receita das redes de franquias no 4º trimestre de 2018 frente ao mesmo intervalo do ano anterior. O faturamento passou de R$ 47,014 bilhões para R$ 50,868 bilhões.

Para André Friedheim, presidente da ABF, os números revelam a forte relevância dos princípios fundamentais que norteiam o trabalho do franchising, especialmente em períodos de retração econômica. “Vimos que 2018, marcando inclusive pela greve dos caminhoneiros e grande instabilidade política, foi um ano ainda desafiador para a economia brasileira e não foi diferente para o franchising. Para manter resultados positivos, as empresas franqueadoras fizeram valer ainda mais o trabalho em rede, que possibilita por exemplo ganhos em escala, buscaram inovar, investindo em novos formatos, produtos e serviços, trabalharam duro e puderam colher os frutos com o encerramento do ano”.

O Fala Síndico é um exemplo do crescimento apontado na pesquisa da ABF. A maior rede de mídia indoor do país no segmento de prédios residenciais já está presente em elevadores e lobbies de condomínios na Grande São Paulo (SP), Goiânia (GO), Fortaleza (CE), João Pessoa (PB), Natal e Mossoró (RN). 

Com apenas três anos de operação, a empresa Condor Franchising, mantenedora do Fala Síndico, está confiante no mercado de franquias. “Já temos muitos interessados em abrir franquias. Agora, em janeiro, já chegamos ao Centro-Oeste", destaca André de Paula, sócio-diretor de expansão da Condor. “Nossa ferramenta torna a comunicação entre síndico e condôminos mais simples e rápida. É o canal de comunicação segmentado para marcas e anunciantes”, explica.

Diretor de marketing do Fala Síndico, o empreendedor e jornalista Jean Valério informa que novas funcionalidades no sistema de comunicação devem empolgar ainda mais os usuários do produto. “Estamos realizando estudos e em breve teremos inovações que deixarão o produto ainda mais atrativo e conectado com o que o nosso público exige. Informações e promoções para os condôminos. Atrativos para os anunciantes”, adianta Jean.

Empregos 
A retomada do movimento de expansão das redes e a reforma trabalhista, implementada pelo governo federal em 2018, favoreceram o aumento das contratações no franchising. O setor registrou alta de 8,8% no número de vagas abertas em relação a 2017. Esse resultado fez com que o número de trabalhadores diretos no setor chegasse a aproximadamente 1,3 milhão de pessoas. “Acreditamos que, se implementadas as reformas da previdência e tributária e houver a desoneração da Folha de Pagamentos, os diversos setores da economia brasileira, e especificamente o franchising, aceleraram ainda mais suas contratações”, afirma André Friedheim.

De acordo com Vanessa Bretas, gerente de inteligência de mercado da ABF, “no final do ano, constatamos que houve um aumento da contratação de trabalhadores pelo regime temporário e intermitente para atender a demanda do comércio e de serviços, o que refletiu positivamente na geração de empregos no setor de franquias”.

A pesquisa da ABF revelou que em 2018 o total de unidades do setor cresceu 5,2%, com um saldo de 7.570 novas operações, totalizando 153.704 unidades de franquias ativas no País. Esse ritmo foi mais do que o dobro da variação registrada entre 2016 e 2017. O desenvolvimento de novos formatos e modelos de negócios, a expansão para fora das grandes capitais e a maior disponibilidade de pontos comerciais a um custo mais competitivo foram os principais fatores que alavancaram essa expansão.

Microfranquias 
A ABF divulga neste ano novos dados sobre as microfranquias, negócios com investimento inicial de até R$ 90 mil. O levantamento registrou que houve um crescimento de 8% dos negócios classificados como microfranquias de 2017 para 2018. Enquanto em 2017 havia 545 marcas nessa modalidade, no ano passado elas somavam 589. 

Os números envolvem tanto redes puras, que possuem somente operações com investimento inicial de até R$ 90.000, quanto redes mistas, aquelas que, além dos negócios tradicionais, também contam com microfranquias em seu portfólio. A queda de 2,1% registrada entre 2016 e 2017 refletiu a diminuição do número de marcas do franchising como um todo no período.

 

Revista Negócios

TV NEGÓCIOS

Fórum Negócios